PSDB precisa juntar os caquinhos em convenção nacional

A convenção vai confirmar o nome de Geraldo Alkmin (SP) na presidência nacional do partido PSDB

De ressaca do governo Michel Temer, o PSDB se reúne neste sábado, em Brasília, mas o clima não é de festa. A convenção serve para confirmar o nome de Geraldo Alkmin (SP) na presidência nacional do partido e os discursos vão reforçar o nome do governador à disputa para a Presidência da República.

Alguns tucanos graúdos reclamam que Alckmin deveria circular pelo país, a exemplo do ex-presidente Lula (PT) e do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Antes disso, a legenda de Fernando Henrique Cardoso precisa juntar os caquinhos.

– Será um momento de pacificação depois de ter sofrido grandes crises – reconhece o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC).

Leia Mais: MEC anuncia corte no Fundeb e deixa prefeitos apreensivos

Os constrangimentos são tantos que a expectativa é de que o senador Aécio Neves (MG) apareça na convenção, mas não permaneça para a tradicional foto ao lado do novo presidente do partido. Ontem, senadores e jovens lideranças do PSDB almoçaram com Alckmin. Mas o mineiro não foi. A saída de Antonio Imbassahy da Secretaria de Governo também foi encarada com alívio. O ex-presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati, chegou a afirmar que Imbassahy demorou demais:

Mas antes tarde do que nunca.

 No final do evento deste sábado, FHC e Alckmin vão dar o tom dos discursos de 2018, defendendo o descolamento do governo Temer. Como se isso fosse possível.

Caiu de maduro

Antonio Imbassahy (PSDB-BA) caiu de maduro. Líderes de partidos aliados já o ignoravam e negociavam a reforma da Previdência com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Sem controle sobre a própria bancada, o tucano quase foi substituído pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) já em novembro. Mas bateu pé. Queria sair pela porta da frente. na sexta, antes de se despedir, participou de um evento ao lado de Temer. Como o PMDB queria, Marun foi confirmado na vaga.

Fardado

Durante a semana, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) já era chamado de ministro pelos colegas de plenário. No cafezinho da Câmara, deputados do PP perguntavam:

Ministro, vai ter reforma?

Frase 

Presidente Michel Temer

Foto: Fátima Meira / Futura Press,Folhapress

“A sua ponderação, o seu equilíbrio e a sua firmeza foram fundamentais para que não só atravessássemos momentos delicados, mas especialmente porque o Brasil não parou.”

Do presidente Michel Temer ao aceitar o pedido de demissão de Antonio Imbassahy da Secretaria de Governo. Quem conhece o tucano, afirma que ele só permanecia no Palácio do Planalto por amizade a Temer.

Por:  Carolina Bahia

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores

%d blogueiros gostam disto: