Após derrota, Rueda prevê jogo do Maraca: ”Temos que igualar intensidade”

Técnico do Flamengo cita maratona de sua equipe com jogos decisivos nos últimos dias. Independiente venceu o confronto de ida, em Buenos Aires, por 2 a 1

Após a derrota por 2 a1 no primeiro jogo da decisão da Copa Sul-Americana, Reinaldo Rueda citou falta de eficiência de sua equipe no ataque, sobretudo no primeiro tempo. Apesar do resultado adverso, o treinador acredita que sua equipe conseguirá reverter o cenário na próxima semana, no Maracanã. Para ele, no entanto, será necessário fazer um jogo mais ”intenso” do que o de Buenos Aires.

– Temos que igualar a intensidade deles, com ordem. Creio que não vai mudar do que fizemos hoje. Temos que melhorar a contundência e a eficácia nos últimos 20 metros. Temos que sair em busca do jogo em função do placar adverso. Com agressividade ofensiva, mas tem que ter precauções, porque eles têm bom contra-ataque. Vai ser um jogo muito parecido com o de hoje – analisou Rueda.

Rueda concede coletiva de imprensa após a derrota para o Independiente (Foto: Fred Gomes)

Rueda concede coletiva de imprensa após a derrota para o Independiente (Foto: Fred Gomes)

Na final da Sul-Americana não é utilizado o critério de gols fora de casa. Com isso, qualquer vitória do Flamengo no confronto de volta por um gol de diferença leva a decisão para prorrogação e pênaltis. O Independiente será campeão em caso de empate. Se o Rubro-Negro vencer por mais de um gol de diferença, leva a taça.

Maratona do Fla

Desde a semana passada, o Flamengo vem de uma maratona intensa com jogos decisivos. Jogou na última quinta-feira na Colômbia (contra o Junior de Barranquilla) e depois atuou no domingo (contra o Vitória), em Salvador. O Independiente, por sua vez, não joga há mais de uma semana.

– Já se sabe da quantidade de jogos que temos. São 84 jogos. Creio que o plantel tem suportado bem, chegou ao final do ano sem lesões consideráveis. Com esforço, viagens e torneios que disputou, creio que o plantel está em ótimas condições físicas. Mostrou isso contra um rival muito intenso. Só quem voltava de lesão é Everton, talvez por isso não foi titular – disse o treinador.

Mais tópicos da entrevista:

Esforço na última semana e saída de Diego do jogo:
Vocês sabem que Independiente não jogou no último fim de semana, fizemos dobro esforço na Bahia. A intensidade do Independiente está a 500%. Tirei Diego por causa do amarelo. Foi pensando no outro jogo

Por que tirou Paquetá?
Jogo muito tenso, teria que trabalhar o jogo, mas não perder a ordem. Pensei com Trauco e Everton nessa posição, depois quando entrou Vinicius. Era buscar mais potência no ataque. Everton vem de lesão de muito tempo parado, por isso tinha que jogar em sua posição.

Atuação do Independiente:
Independiente é muito coletivo e com muito desequilíbrio. Penso que fomos muito passivos na marcação, evitando faltas perto da área. Mas isso talvez permitiu a opção de desequilíbrio. Queríamos fazer o segundo gol e acabamos propiciando o contra-ataque.

Falta que Paolo Guerrero faz: 
Vocês sabem que temos duas ausências grandíssimas: Diego Alves e Guerrero, um goleador. Tivemos essas baixas sensíveis, e naturalmente se sente, ainda mais por sua experiência. Paolo tem sua cota de gol, incomoda os rivais a capacidade de segurar a bola, dar respiro aos volantes. Creio que é determinante a falta dele.

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores

%d blogueiros gostam disto: